05 May 2009

Mimi Zuzubi




A estória da Mimi Zuzubi, a irmãzinha do Benício, é também muito comovente.

Gostaria de reparti-la com você:
Há 06 anos atrás, eu havia perdido a minha cachorrinha, Dudu, devido a um cancer linfático. Eu e minha família
tivemos o privilégio de conviver com ela por 11 maravilhosos anos, onde havia uma grande troca de carinho e amor.
Eu fiquei arrasada quando ela morreu, e ainda hoje lembro os lindos momentos que passei com aquela cachorrinha
tão especial. Eu havia decidido que não teria mais animais, mas para quem gosta deles como eu, esta decisão se mostrou bastante fraca... pois a irmã de minha nora havia salvo 2 gatinhos que haviam sido largados, por uma família que se mudou de uma casa próxima e abandonou dois cachorros e dois gatos em seu pátio, sem água e sem comida.
Eu soube também que eles estavam comendo pão mofado, pois não havia nada para eles comerem... nós sabemos
que a crueldade com os animais é grande, pois ainda há a crença absurda de que animais não tem consciencia e
sua única utilidade é servir aos seres "humanos".

Minha nora, sabendo como eu estava deprimida pela perda da Dudu, foi lá em
casa, com uma bolinha peluda, enrolada em uma mantinha, toda trêmula e pediu que eu ficasse com aquela gatinha "por somente uma semana", pois ela havia sido abandonada e haviam cachorros atrás dela.

Eu não queria mais bichos, mas quando vi aquela coisinha assustada, magrinha, pequena, meu instinto materno falou mais alto e fiquei com ela - claro, por muito mais
de uma semana! Ela foi batizada de Mimi Zuzubi, e lá em casa, de tão arisca e assustada, ficou por 2 dias embaixo do guarda-roupa. Aos poucos, foi-se acostumando conosco, mas sempre guardando aquele instinto de felino selvagem, caçador, com seus olhos verdes sempre atentos a qualquer movimento.

Hoje em dia, carinho e comida à vontade, Mimi Zuzubi é uma gatinha mansa e carinhosa, dorminhoca e um pouco gordinha. A alegria que ela me traz é enorme, pois todas as tardes me espera na porta de casa, quando chego do trabalho, me fazendo sentir que eu sou especial e muito importante para ela. Ela brica comigo de "futebol de ratinhos", onde eu jogo os ratinhos de brinquedo dela e ela busca para mim, para que eu os jogue de novo. É a nossa brincadeira preferida. E ela então se faz de bobinha, arranhando as unhas no arranhador e deitando para que eu coce a barriga dela.

Olhando para trás, vejo que foi maravilhoso ter adotado a minha linda e selvagem gatinha, pois ela curou as feridas profundas que sofri com a perda da Dudu. Gostaria de falar para todas as pessoas que queiram adotar (e amar) um bichinho de estimação, que isto é para toda a vida, e que receberemos um milhão de vezes mais o amor e cuidado e atenção que dermos a eles. Eu sei, por mim, pois o amor que sinto por meus bichinhos me torna uma
pessoa mais feliz e muito melhor.
Um grande abraço,
Elisabeth Borges
Adote um Animal Carente!

NAO compre animais!

Adote um animal que realmente precisa de vc!